Alerta: fique atento aos sintomas da leishmaniose

Canaã dos Carajás viveu recentemente um surto de leishmaniose visceral em cães. Sabendo que a doença não tem cura, é necessário ficar atento aos sintomas e redobrar os cuidados na proteção dos animais.

Para evitar a infecção, o proprietário deve cuidar da saúde do seu cão, que é o principal hospedeiro da doença, fazendo uso de coleiras repelentes e vacinar o cão contra a leishmaniose. A vacinação deve ser feitas todos os anos e não é fornecida pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Também como prevenção, deve-se evitar construir casas muito próximas a matas, utilizar repelentes, usar telas em portas e janelas, evitar o acúmulo de lixo e fezes de animais em residências e evitar a criação de aves e animais de produção em residências.

Os sintomas

Sintomas tegumentares: Cão a) assintomático ou b) sintomático (feridas na pele, mucosas do nariz, boca)

Humano: a) assintomático ou b) sintomático (feridas na pele que se localizam com maior frequência nas partes descobertas do corpo; feridas nas mucosas do nariz, boca e garganta)

Visceral: Sistêmica: Acomete vários órgãos internos, principalmente o fígado, o baço e a medula óssea.

Cão e homem: (Febre, anemia, perda de peso, inchaço do abdômen devido a esplenomegalia (aumento do baço) e hepatomegalia (aumento do fígado).

Transmissão:

A leishmaniose é transmitida por insetos hematófagos infectados com a leishmania, (mosquito palha), que se alimentam de sangue, conhecidos como flebótomos ou flebotomíneos.

Vale destacar que é importante a realização de testes rápidos em cães – portadores do protozoário da leishmaniose. Os donos dos animais devem realizar periodicamente os exames. O teste é gratuito e pode ser realizado de segunda à sexta-feira, de 8h às 12h, na Unidade de Vigilância em Zoonoses de Canaã, que fica na rua Constância Lino, bairro Novo Horizonte 2. Para maiores informações, o cidadão deve entrar em contato com a unidade no número (94) 99150-4953.

COMPARTILHAR